O Fogo e o Caminho de Santiago

015-2

O Fogo é um dos quatro elementos fundamentais que regem o planeta em que vivemos a par da Terra, Água e Ar. O Fogo apelidado de origem, luz, calor e renovador, destruidor, misto de temor, amor desperta no homem um conjunto de sentimentos.

Esse fogo que nos atrai, que nos faz despertar, defender e atacar, associa-se a Fénix, pássaro de fogo e reconstrutivo e renasce das cinzas na mitologia, mas também serpente, cavalo e carneiro, se associa à imagem do astro-rei, o Sol.

Na generalidade das religiões é apontado como mágico, como punição e recomendação, sendo uma constante nos vários rituais da vela, da lamparina, da queima e do fogo sagrado…

O sentido de polo positivo do fogo atrai a construção e a regeneração de quem, nos contos e lendas antigas se cita os seus aspectos já invocados e nas várias culturas se invoca este elemento com alguma devoção e veneração. O Fogo.

O fogo é apontado com origem no Astro-Rei e os rituais ao Sol são conhecidos em muitas culturas e religiões, não sendo a religião cristã uma excepção.

Nas terras da Galiza de povos antigos ancestrais se cita os Celtas, os homens dos castros. Os homens que transmitiam a herança pela palavra, pois o fogo também era sagrado e belo.

São identificados muitos rituais sagrados e subordinados ao Sol e ao Fogo, tanto nos povos antigos e Celtas como nos cristãos e outros.

Desde tempos mui antigos, nas aldeias e terras da Galiza e de Portugal se celebra um ritual do “Fogo Novo” em que um madeiro habitual de árvore sagrada e bela.. um Quercus, um sobreiro ou carvalho se queima na rua, no adro municipal na noite de Natal – Noite muito próxima do solstício de Inverno.

Outra festa se celebra nas terras de Galiza e Portugal, nas festas dos Santos Populares, especialmente o São João. As pessoas saltam, brincam e festejam o fim das colheitas, o despertar do Solstício de Verão.

Assim, no Caminho o Fogo não poderia deixar de aparecer e ser.. a prova do fogo é identificada pelo peregrino, na queimadura solar, na assadura, na ilharga, na dor e calor nos pés e outros locais mais.

Também na magia e crença de purificação, defesa e contra coisas tais como o mau olhado e a inveja, a ternura do renascer e ser; surge um ritual de queima de aguardente, com amigos e companheiros, gentes locais e distantes, se queimam em adequado recipiente de barro, mediante uma fórmula antiga e ancestral aguardente, açucar, bagos de café e limão, laranja e talvez maçã.

De todo o ritual de cor, aroma, e luz ressalta uma reza, um conxuro apregoado pelo mestre. A todos se pede intenção e pegar no fogo o levantar e exclamar o desejo de vida nova e construída. Da Fénix, do fogo renasce das cinzas um mundo novo.

O fogo mesmo nos dias de hoje atrai e nas festas tradicionais do dia do Santo, do final do ano na Praça do Obradeiro e em toda a Galicia se festeja com fogo de artificio, deslumbrante e de êxtase, pois os peregrinos aí chegam suados e cansados.

Camilo Cela, escritor afamado e premiado da Galiza dizia:
“(…) os Espanhóis não crêem em Deus, crêem no Fogo(…)”

Na verdade todo os ritos e festas cultivam esse gosto do Fogo.

Queimada

A Queimada

A Queimada é feita com aguardente e para quem sabe é destilada doAlambique que nos foi introduzido pelos árabes, por isso nem tão antiga será dos Celtas ou outros mais povos antigos.

A queimada se revela um acto próximo de meiga, bruxaria e não safadeza, pois o que se pretende é o entendimento, a cura, a libertação e o bem.

Os povos sem cuidados e perante fenómenos não explicados, como a burra que coxeia, a vaca que perde o leite, a criança que não medra ou a mãe triste. Reclama-se ajuda ao mágico e ao desconhecido. A queimada.

Mediante fórmula e ponto de reunião se clama ajuda ao sobrenatural e não desvendável do mundo e do universo.

Receita da Queimada: A minha receita

 

Receita da Queimada

( a minha receita)

Ingredientes:

  • 120g de açucar;
  • 1l de aguardente forte, que arda (sugere-se de vinho verde);
  • 1 limão inteiro e partido;
  • Uns grãos de café

Deita-se em recipiente adequado de barro vidrado.
Numa colher de pé alto retira-se um pouco, ateia-se o fogo nessa colher de pé.

De seguida ateia-se o recipiente com os devidos cuidados.

A combustão deve ser alimentada com o elevar do liquido.

Servir em copos de barro após a combustão queimar quase a totalidade desse álcool, deixar quase apagar-se o fogo com um simples sopro.

Fundamental o Conxuro, reza.

O Conxuro

Mouchos, coruxas, sapos e bruxas.
Demos, trasnos e dianhos,
espritos das nevoadas veigas.
Corvos, pintigas e meigas,
feitizos das mencinheiras.
Pobres canhotas furadas,
fogar dos vermes e alimanhas.

Lume das Santas Companhas, mal de ollo,
negros meigallos,
cheiro dos mortos, tronos e raios.
Oubeo do can, pregon da morte,
foucinho do satiro e pe do coello.
Pecadora lingua da mala muller casada cun home vello.
Averno de Satan e Belcebu,
lume dos cadavres ardentes,
corpos mutilados dos indecentes,
peidos dos infernales cus,
muxido da mar embravescida.

Barriga inutil da muller solteira,
falar dos gatos que andan a xaneira
guedella porra da cabra mal parida.
Con este fol levantarei as chamas
deste lume que asemella ao do inferno,
e fuxiran as bruxas acabalo das sas escobas,
índose bañar na praia das areas gordas.

¡Oide, oide! os ruxidos que dan as que non poden deixar de queimarse no
agoardente, quedando asi purificadas.
E cando este brebaxe baixe polas nosas gorxas,
quedaremos libres dos males da nosa ialma e de todo embruxamento.

Forzas do ar, terra, mar e lume, a vos fago esta chamada:
si e verdade que tendes mais poder que a humana xente, eiqui e agora,
facede cos espritos dos amigos que estan fora, participen con nos desta queimada.

 

Queimada

Queimada é uma bebida tradicional e que na galiza encontra um espirito muito próprio… Há de ter cautelas pois é uma bebida alcoolica, com algum misticismo, divinal e celestial em certos momentos.. existe sempre um mestre preparador da substância “Queimada” com uma reza própria e um ambiente de média luz e velas numa noite de lua cheia e com peregrinos que acompanham com cantigas e modas num espirito de partilha e de magia…

Uma das rezas ou conxuro a divulgar:

“Mouchos, coruxas, sapos e bruxas, demos trasgos e diaños, espritos das nevoadas veigas, corvos, píntigas e meigas, feitizos das manciñeiras, podres cañotas furadas, fogar dos vermes e alimañas, lume das santas compañas. Mal de ollo,negros meigallos, cheiro dos mortos, tronos e raios, oubeo don can, pregón da morte, fuciño do sátiro e pe de coello, pecadora língua de mala muller, casada cun home vello. Averno de Satán e Belcebú, lume dos cadavres ardentes, corpos mutilados dos indecentes, peidos dos infernales cus. muxido da mar embravescida, barriga inútil de muller solteira, falar dos gatos que andan a xaneira, guedella porca da cabra mal parida. Con este fol, levantarei as chamas deste lume, que asemella o do inferno e fuxiran as bruxas a cabalo das suas escobas, índose a bañar na praia das areas gordas. ¡ Oíde, oíde, os ruxidos que dan as que non poden deixar de queimarse no aguardente, quedando así purificadas. E cando este brebaxe baixe po las nosas gorxas, quedaremos libres dos males da nosa ialma e de todo embruxamento. Forzas do ar, terra, mar e lume, a vos fago esta chamada: Si e verdade que tendes mais poder que a humana xente, eiquí e agora, facede que os espritos dos amigos que estén fora, participen con nos desta QUEIMADA. ”

Atribuiem-se origens celtas,facto que se revela impossivel pois a destilação da aguardente é posterior, ritual medieval, ritual pós repasto condigno.. não deixa de ser um momento interessante numa eventual peregrinação…

O conjuro ou “esconxuro” tradicional da queimada foi inventado em Vigo em 1967 por Mariano Marcos Abalo para uma festa de jogos florais .

Todo o ritual de preparação está dirigido a afastar aos maus espíritos e os maus olhados que, segundo a tradição, espreitam aos homens e mulheres para tentar lhes amaldiçoar já seja por , por vingança, por algo que têm realizado anteriormente, ou por qualquer outro motivo. (ref http://pt.wikilingue.com/es/Queimada)

Seus ingredientes principais são aguardente, açucar e limão ou laranja num recepiente  de barro ou uma cabaça, mexe-se e o alcool vai queimando e dando côr à noite..

Alguns cuidados com o fogo, com o abuso da substância, dormir descansado e sonhar com os trilhos sagrados do Caminho de Santiago..

Ultreia et Suseia