Preparação para o Caminho de Santiago

Alongamentos – fonte: http://www.caminhodesantiago.com/walter/treinamento.htm

A preparação para o peregrino é algo simples, mas que deve merecer a preocupação de quem pretender vencer essa prova. Como peregrino assumido, defendo a peregrinação como um gesto voluntário, sem promessa interiorizada, sem crendices, magias ou outra coisa de transcendental, sem martírio e mágoa ao próprio, nem como acto de sacrifício ou purificação. Peregrinar, traz alegria, emociona a quem pretender alcançar algo, define, clarifica objectivos ou metas, amadurece e engrandece o ser humano pela experiência vivida. Ainda hoje me comovo ao ver e recordar as memórias das minhas surtidas de peregrino, e sinto-me tocado ao reconhecer companheiros de jorna.

A preparação do peregrino pode ser abordada em três perspectivas: física, psicológica e espiritual.

A preparação física obriga o indivíduo a adquirir capacidades em termos articulares, musculares, metabólicos, cardio-respiratórios e gerais. Será conveniente uma visita ao médico de família, identificando problemas de saúde que mereçam especial atenção. Sobre os músculos, articulações e aparelho cardio-respiratório, nada melhor que adquirir um conceito de treino e manutenção da forma física adequada à idade, aos antecedentes e limitações existentes e tonificação muscular. A peregrinação pode ser a ocasião para adquirir hábitos e estilos de vida saudáveis, como o deixar de fumar, de beber exageradamente e o aprender a ultrapassar stress sem assumir comportamentos pouco saudáveis. O andar a pé é um conjunto de gestos naturais que adquirimos desde tenra idade, reconhecendo a idade dos 12 meses como o início de uma marcha direita ou bípede própria do ser humano. Com o desenrolar dos anos constatamos que na era moderna o ser humano restringiu os trajectos pedestres a meras deslocações sem grande esforço. Para um eventual peregrino tem de se habituar a andar durante horas e em distâncias não habituais no quotidiano, utilizando as capacidades adquiridas. Recomenda-se uma preparação gradual de caminhar diariamente pelo menos uma hora/dia e ir aumentando até a um limite estipulado de 6 a 9 horas. Qualquer esforço de marcha deve obrigar a alongamentos dos músculos em exercícios simples dos quais destacamos em quadro anexo.

As lesões mais frequentes do peregrino em marcha são as tendinites, as “assaduras” e as bolhas dos pés. O treino músculo tendinoso engrandece as capacidades do indivíduo, mas importa referir que qualquer actividade pode estimular qualquer para a vida. Aconselha-se manter actividade física e mental a todos, pois acredita-se ser uma das formas de melhorar a qualidade de vida e prevenir doenças ou males como o envelhecimento precoce, a demência e o próprio cancro.

A preparação da pele deve ser uma das preocupações do aprendiz de peregrino, com a lubrificação adequada e resistência e elasticidade conveniente. Recomenda-se cuidado de hidratação das virilhas e das zonas de fricção com um creme gordo disponível em qualquer supermercado ou farmácia.

Os pés merecem uma atenção muito especial:

1º – Todos devem observar os pés, com atenção à face plantar e unhas;

2º – Mergulhar os pés em água quente com sal, nos dias anteriores à partida;

3º – Secar bem os pés e amaciar com creme de ureia a 30% (existe no mercado formas galénicas equilibradas e de compra livre) as zonas de maior preensão como o calcanhar e face anterior dos pés;

4º – Cortar as unhas ou limar, recomendo os préstimos de algum podologista com a antecedência considerada conveniente;

5º – Lubrificar as pregas e os espaços interdigitais com creme gordo ou vulgar vaselina esterilizada; há quem use vick vaporub (“mezinha de caminheiro”), pois através das suas essências de mentol, canferol e eucaliptol dão a sensação de frescura e lubrificação;

6º – Lavar frequentemente os pés, secar e hidratar sempre bem.

Como peregrino e estimulando a preparação fisica devemos recordar que num trajecto de vários dias é importante equacionar o complemento da mochila de transporte dos recursos básicos de suporte (roupa, objectos de higiene, saco de dormir, e outro material). A mochila condiciona o equilibrio, retarda a marcha, diminui a passada e é causa de muitas algias de caminheiros de longo curso. O peregrino tem de treinar com e sem mochila, e com mochila vazia e com alguma carga.. Recomenda-se cuidados especiais a “encher” a mochila e numa selecção criteriosa do que é realmente essencial para uma jorna de vários dias num mundo habitado e civilizado como os Caminhos de Santiago.

Marcha com Bastões

Muitos peregrinos usam dois bastões e muitos se perguntam a sua utilidade..

“Marcha com Bastões” (Pole Walking ou Pole Striding) ou Caminhada Nórdica remontam aos anos de 1930, onde esquiadores se treinavam no Verão para no inverno utilizar juntamente com os esquis. A marca com bastões demonstra ser algo diferente da caminhada clássica, exigindo algum treino e hábito, denotando por quem a utiliza alguns benificios fisicos. Existem também bastões com amortecedores incorporados que aliviam o caminheiro nos desníveis dos trilhos no entanto essencial o treino com todo esse tipo de material.

O uso do bastão de caminheiro ou vara é algo diferente, símbolo clássico do peregrino, remonta à própria benção em que o mestre de culto cita “recebei este báculo que afasta os perigos que se vos adivinham”. Habitualmente uso um bastão de madeira, com uma ponteira de aço, com o meu nome gravado, pesado e suporte das minhas provas, quando parado, dando compasso à passada, identificando a minha localização pelo toque, apaziguando as minhas dores, dando-me força.

A preparação psíquica nem sempre é valorizada ou encarada como necessária, contudo qualquer pessoa predispondo-se a peregrinar, ausenta-se do seu ambiente habitual, do seio familiar, dos seus afazeres e das suas rotinas. Assim, preconiza-se que o futuro peregrino programe a ausência, prepare-se para se afastar, previna os seus entes queridos para uma aventura, distinta de férias, trabalho ou afazer.

Alguns princípios da meditação de tradição budista podem ser ensaiados. O peregrino tem um passado, presente e futuro que deseja sempre controlar e por vezes, a “atitude controladora” impossibilita o alívio do sofrimento, das dores de alma, da raiva, das mágoas da vida e da incerteza e incredibilidade da mortalidade do ser.

A imponderabilidade da vida transmite inquietude e dor e leva o individuo a apreciar a sua existência como pouco gratificante. Propõe-se que um potencial caminhante de uma jorna de peregrinação, pare, isole-se um pouco, omita por momentos o passado, deixe o controlo do futuro e assuma o momento presente como um “estar bem, ser feliz e sentir paz.”

A preparação espiritual é muito enaltecida pelos crentes e cultivadores daquilo que chamamos religião. O Caminho de Santiago tem uma forte influência da religião católica, na fé em Cristo e na Virgem Maria, mas deixo ao critério a quem quiser a definição de credo ou motivação espiritual numa eventual peregrinação.

Na minha preparação espiritual individual peço a bênção de peregrino ao pároco da minha residência, acalento e medito cm leituras da Bíblia, e de algumas citações e pensamentos universais.