Pés de Peregrino

Os pés, base fundamental do ser humano, na história ouvimos falar dos persas como alguém que tinha “pés de barro”… Aos jovens lhes ensinamos que têm de ter os pés na terra, talvez porque pensamos que todos os temos, porém tantos vejo que nem têm pés…

Amanhã, sempre um novo dia e uma nova forma de aprender a andar.. Eu gosto de ver os meus pés, olho e revejo o que me é permitido ver, pois para andar a pés temos de aprender a preservar a base do caminhar… As unhas, as pregas, as calosidades, as marcas e cicatrizes de “acidentes de percurso”, gosto de mostrar os meus pés, que por vezes necessitam de cuidados especiais, lavar, secar e hidratar, vezes e vezes sem conta procedimentos regulares de vulgar caminheiro…

Aos mais idosos recomendo que nunca esqueçam o que os seus pés andaram, aos jovens digo poupem esses pés para chegar a velho a andar, ao caminheiro e peregrino lhes lembro cuidados vários… Pele, ossos, articulações, musculos e até sentimentos pelos pés não pejorativos mas de base…

Bolhas nos Pés do Peregrino

Pés a quanto obrigas…
Os pés são a principal base de suporte do corpo.  Qualquer peregrino sabe que após uns quilómetros com maior vigor ou não, no inverno ou verão são os pés que reclamam a sua atenção. Um dos rituais muito conhecidos em alguns albergues do Caminho Francês e mesmo em Fátima é a célebre lavagem dos pés.. Também o poeta João de Deus tem um poema que salienta a importância dos pés e dos seus cuidados.
Qualquer um de nós reconhece duas funções distintas naqueles que são os nossos pés:
uma estática (quando estamos parados em pé apoiados ou não),
– outra dinâmica (quando andamos,portanto em movimento).
A função estática proporciona uma distribuição do peso do corpo e que se faz sobre os próprios pés. Qualquer individuo após umas horas de marcha tenta suportar-se nos seus pés.
A função dinâmica muito mais complexa porque engloba um estudo da mecânica dos pés e de todo o corpo numa ciência denominada  Biomecânica.  Esta ciência, biomecânica, estuda as forças envolvidas no caminhar, correr, saltar, ou peregrinar a pé..  Ao andar também procuramos amortecer as pressões que chegam ao pé e nem sempre assumimos posturas correctas, obrigando a esforços e agressões de outras estruturas do corpo como por exemplo os joelhos.
Assim podemos reconhecer nos  pés  uma estrutura fundamental para todo o corpo, proporcionando uma interacção do corpo com o solo e com o meio, podendo mesmo condicionar o sermos capazes de executar os desafios a que nos propusemos. Aconselha-se a qualquer peregrino identificar sinais e sintomas de que algo não está bem nos seus pés, directamente nos tais apêndices nem sempre valorizados, que eventualmente têm odores próprios e são a razão da marcha que adquirimos quando criança.
As Bolhas
Um peregrino só se apercebe tardiamente da formação da bolha e em geral ficam muito admirados como aconteceu. A bolha surge porque houve atrito entre pés, meias, calçado e o solo. É mais frequente nas regiões em que o osso sobressai, como nos calcanhares, na fase anterior plantar do pé e nalguns dedos.  A bolha é uma camada de pele que se destaca (por causa da fricção) e enche-se de líquido, geralmente transparente tipo água. Se algum vaso sanguíneo é lesado nesse processo traumático então temos a presença de sangue.
Reafirmo que sofri vezes sem conta deste padecimento, “ai bolhas, terror de qualquer peregrino” como lhes fazer frente:
Selecionei dois niveis de prevenção:
1º Nivel:
A pele é uma estrutura complexa, com regeneração automática, mas com regras a respeitar…  Quando queremos que a pele dos nossos pés resista ao traumatismo de fricção, sudação, aquecimento, eventualmente inflamação e ruptura temos de preparar a estrutura. A pele dos pés tem uma camada plantar habitualmente mais resistente, mas com limites e o calçado deverá ser adequado ao tamanho do pé, aos movimentos, ao piso escolhido, à estação do ano e aos desejos do peregrino.
Numa primeira fase temos de conhecer os nossos pés, fazer uma impressão plantar usando tinta não tóxica e de fácil lavagem pode parecer infantil, porém revela-se esclarecedora onde está as fraquezas do nosso descontentamento.
Todos os dias os pés devem ser lavados, massajados, secos e hidratados.. As unhas limadas, com atenção aos limites ungueais, e pedir ajuda a um podologista será fundamental, pois é o profissional mais habilitado a orientar o peregrino com os seus pés.
Assim, escolher um calçado adequado, ténis, bota de caminhada ou sapato de caminhada, oferece a oportunidade ao peregrino preparar também esse artefacto fundamental. Umas botas ou ténis da melhor marca mas “novos” proporcionam o pior andar ao pobre peregrino iludido nas propriedades apostas na marca do calçado. Não esquecer comprar um ou dois números acima do habitual, pois os pés vão “inchar” com a carga que lhes vamos impor. Fazer a rodagem do calçado, andar uns bons quilómetros, também já ouvi quem compra umas botas de caminhada e faz a rodagem nos centros comerciais, enfim é necessário dar forma e fôrma ao calçado.
Outros conselhos neste nível são não lavar os pés com água muito quente na hora da largada, e se lavar, secar muito bem, usando até papel higiénico para uma secagem eficaz..
Lubrificar depois com um creme, pode ser vaselina esterelizada, creme gordo, mas não “forrar” os pés de creme. Basta uma camada fina e não esquecer entre os dedos.
Também importante a seleção das meias ou peugas… As meias de algodão com as costuras para fora, estão perfeitamente ultrapassadas pela facilidade em adquirir meias de caminhada adptadas à estação do ano. No inverno de um tipo e no verão versões “cool”. Existem marcas brancas relativamente baratas. Não usar meias velhas e desgastadas…
Se tiver planeado mais de 20 Km de etapa, mudar de meias com obrigatório secar os pés… A prevenção pode salvar uma peregrinação.. Em princípio o desistir a meio traz muita frustração ao peregrino e deve ter atenção a cuidados básicos. Pés, meias, sapatos…
2º Nivel:
O peregrino inicia a caminhada e a pele dos pés começa por ficar avermelhada tipo queimadura de frição, segue-se a formação da vesícula com mais ou menos líquido…
Antes de ulcerar e deixar o peregrino “a pé e parado” há de tomar iniciativas..
Após alguns quilómetros de marcha o pé sua, aquece e inflama.. Se sentir algo incómodo, não adiar, ir ver sempre o que se passa… Pode ser uma pedrita, uma planta que pode agravar uma lesão em origem..
Assim, após algum tempo de caminhada, parar, descalçar o “artefacto- ténis ou bota” retirar a meia e ver, inspeccionar.. Pedir ajuda a um companheiro de jorna.. Cheirar mal dos pés não é grave, mas ulcerar é muito grave..
Se estiver apenas vermelho, usar as tecnicas universalmente recomendadas, lavar, secar e hidratar…
Deixar o pé respirar, usar uma sandália ou chinelo por momentos..
Depois calçar sempre depois de hidratar convenientemente…
Se houver uma bolha… Inspecionar o conteúdo, se é um liquido transparente (é o habitual), se é sangue ou se é puz..
A presença de sangue ou de puz exige os cuidados de um profissional de saúde..
Se for liquido transparente tipo água, dimensionar a bolha.. Se for de pequena dimensão, desinfectar com água ou soro, secar e aplicar um penso adequado tipo “compeed” com um tamanho à respectiva bolha.. Claro que esta estratégia é adequada após descanso dos pés e antes de calçar.
Se a bolha é média a grande dimensão, há a necessidade de drenar o liquido. Usar então uma agulha esterelizada com linha também esterelizada. Adquire-se seda de sutura de feridas que vem em embalagem esterelizada.
Pode parecer dificil ,mas é muito simples, pica-se a bolha após desinfecção exterior, e faz-se um laço, ficando um parte da alça de “seda” dentro da bolha e outra fora. Isto funciona como um dreno mantebdo o esvaziar da bolha. Depois de algum tempo aplicar um penso “compeed” e calçar. Não deve introduzir qualquer desinfectante dento da bolha, nem álcool, nem “betadine”, nem nada.. Deve deixar o organismo reponder à agressão e colaborar.. Os fios de “cozedura de Bolhas” devem caír por si, não necessitando outros cuidados além da desinfecção.. Não retirar a pele da bolha, respeite o seu corpo não o mutile..
Material para Bolhas:
– Água, soro, desinfectante tipo betadine (se não fôr alérgico);
– Creme hidratante, ou mesmo vaselina;
– Seda de Sutura, à venda nas casas de material cirurgico;
– Pensos “compeed” anti bolhas de pequena e media dimensão.